Cultivando a água

Marsha Hanzi*

Os últimos levantamentos a nível planetário apontam ao perigo da escassez de água.
De toda a água existente no planeta, a maior parte é salgada ou congelada no gelo polar. A pouca água doce de superfície ainda disponível está sendo poluída desastrosamente. Os rios estão secando ou sendo sugados por sistemas de irrigação, com o Nordeste do Brasil ameaçado a enfrentar o dilema: plantar ou beber… Já profetiza-se que as próximas guerras serão sobre o controle da água.
Embora o público saiba que há uma relação direta entre o desmatamento e a falta de água, poucos sabem que é possível convidar a água de volta à propriedade rural, através de técnicas de manejo da vegetação. Podemos fazer brotar nascentes que secaram , e limpar riachos turvos. Dispondo de mais de 300 hectares, podemos até influir no regime de chuvas.

Exige esforço , sim, mas contamos com a ajuda de uma aliada poderosa: a Natureza. Observamos que a Natureza sempre evolui em direção à vida, e isto inclui a re-umidificação da paisagem. Onde há vegetação, há água. E qual será o ato mais nobre de cidadania do que aumentar a águadisponível?

A RELAÇÃO ENTRE A VEGETAÇÃO E A ÁGUA

1) A vegetação é composta de água! Mas de 90 por cento da estrutura da planta ( e do nosso corpo) é feita de água. Uma floresta (uma caatinga) representa uma enorme reserva de água.

2) Um dos sub-produtos da decomposição da matéria orgânica é a água. Um sistema rico em biomassa em constante decomposição ( cobertura morta) é constantemente alimentado com água.

3) À noite, a folha coleta gotinhas de umidade do ar, e a recicla para o sistema ( criando o sereno). Este pode ser uma fonte importante de umidade para o semi-árido. Uma árvore frondosa pode ter meio-hectare de superfície de folhas, todas coletando água. Quando a mata é tombada para plantar culturas baixas ( de pouca área foliar), perde-se uma grande fonte de umidade. Já foi provado que sai mais água pelo Rio Amazona que cai em forma de chuva. O restante vem por condensação.

4) Quando uma corrente de ar úmido bate numa floresta ( como acontece no litoral ), esta barreira comprime o ar, tornando-o mais pesado, facilitando a formação de chuva. Se os topos da serra do mar são desmatados ( para, por exemplo, formar pastos), perde-se este efeito, o ciclo das chuvas é quebrado , prejudicando o interior do estado.

5) O húmus formado por detritos é uma esponja, com grande capacidade de absorver água. 10 cm de húmus pode armazenar 3cm de água. Uma floresta esconde um lago raso no seu pé.

6) As raízes das plantas absorvem a água, não deixando esta escapar do sistema. Esta água é reciclada pela seiva das plantas e transpirada , formando novas nuvens. Merece apontar que esta água transpirada é uma solução rica em produtos de metabolismo e padrões energéticos, totalmente diferente da água evaporada de um solo nu.

7) A vegetação rebaixa a temperatura do solo por volta de 8 graus, diminuindo a taxa de evaporação. Esta temperatura mais baixa também faz com que as nuvens desçam, facilitando a chegada das chuvas ( o ar quente sobe, o ar frio desce).

8) A árvore cria água por um processo químico! O produto do metabolismo, em presença da luz solar, é o oxigênio. O produto deste mesmo metabolismo, na escuridão do solo, é o hidrogênio. A chuva leva o oxigênio do ar para dentro do solo, onde encontra o hidrogênio-e uma nova molécula de água é criada.

ESTRATÉGIAS PARA RECUPERAR A ÁGUA

1. Reflorestamento dos topos de todas as serras. Pelo efeito de comprimento do ar e condensação, pode reciclar água para os campos abaixo. Eu já vi, no Sertão, um topo florestado dentro da nuvem enquanto um pasto vizinho, da mesma altura, estava descoberto.

2. Matas ciliares ( na beira dos rios e riachos). Estas fazem com que a água chegue gradativamente ao longo do ano, evitando enchentes. Estas matas podem ser produtivas em frutas ( como Açai).

3. Reflorestamento de boqueirões ( cabeça de vale). São lugares onde junta-se as águas e pode fazer brotar uma fonte ou um riacho.

4. Quebra-ventos para diminuir a evaporação-vital no Sertão, talvez a estratégia mais importante.

5. Plantio de policulturas, incluindo elementos arbóreos e muita massa orgânica . O campo nunca se desnuda, e toda a água se conserva.

6. Quebrar pastos grandes em piquetes menores rodeados por faixas forrageiras.

7. Reciclar toda a água servida em vez de jogá-la diretamente no rio. Isto se faz facilmente com filtros biológicos , feitos de canteiros de plantas aquáticas. 100 litros de água utilizados 3 vezes significam 300 litros de água.

8. Nas cidades, captar a água dos telhados. Em Salvador, uma casa de 100 metros quadrados captaria aproximadamente 170,000 litros de água por ano. Mesmo no Sertão, esta casa captaria de 30,000 a 60,000 litros, conforme o ano. Com isto as cidades terão menos necessidade de esgotar os rios.

É claro que estas estratégias, além de melhorar o clima e aumentar a disponibilidade da água, melhoram as condições do campo, tornando-os mais produtivos. Assim um ato de cidadania reverte também em benefício direto para o
agricultor.

Fonte: IPEMA BRASIL, * Marsha Hanzi é do Instto de Permacultura da Bahia

Anúncios